quarta-feira, 1 de outubro de 2008

NAMORADOS E AMANTES

Amantes não são namorados,
namorados namoram,
amantes amam-se!
Amantes fogem sempre,
amantes escondem-se
sem fazer alarde.
Namorados, são o dia e a noite,
amantes, são a tarde.

Namorados são avassaladores,
amantes são suaves,
mas, amam-se tanto que se magoam,
e, às vezes, sentem dores.

Namorados riem, divertem-se,
amantes, apenas se amam.
Namorados, quando estão no Central Park,
correm atrás um do outro.
Nos fins de semana na Lapa
caem sempre nas batucadas,
e se vão à praia de Camboriú, que lindo,
mergulham no mar de mãos dadas!

Amantes, beijam-se nas mãos,
amantes nunca se falam,
sentem-se, cheiram-se,
exalam...

Namorados, passeiam de bicicleta,
andam de patins no gelo.
Amantes acendem a lareira,
sentam-se no tapete,
ela cheira as mãos dele,
e, ele, o seu cabelo!
Os rostos encostam-se e,
assim, ficam por longo tempo,
as mãos apertam-se um pouco mais,
amantes não falam,
deitam-se, perdem-se,
e procuram-se por trás.

Namorados abraçam-se
olham-se, ajudam-se,
esperam-se na escola,
comem pipocas na fila do cinema,
no fim de semana, eu prefiro Búzios,
tu, Saquarema!

Namorados discutem por qualquer coisa,
amantes amam-se.
Namorados sentem ciúme,
ficam de mal, trocam de telemóvel.
Amantes esperam-se com a banheira cheia,
só não desejam é falar!

Namorados encontram-se de manhã
dirigem-se para a escola
e marcam para a noite um passeio.
Amantes encontram-se sempre de tarde
o carro a voar, a chave recebida,
mal a porta se fecha,
as bocas lambem-se,
eu, doido de amor,
tu, perdida!

Namorados, quando passeiam,
estão sempre de mãos dadas,
e, felizes, balançam os braços.
Amantes olham-se no espelho do quarto
e apertam-se nos abraços.
Namorados fazem as pazes
e prometem juras de amor,
marcam o fim de semana em Penedo,
Lumiar, Salvador.
Amantes estão sempre num quarto,
beijam-se, mordem-se, molham-se,
transpiram, não dormem,
arriscam-se ao enfarte!

O que há de mais belo na vida
namorados e amantes têm:
namorados são felizes,
amantes, também...

Ivan Siqueira
(foto: Simone Beauvoir, de © Art Shay)

19 comentários:

fátima lopes disse...

Sem duvida nenhuma que o resultado é: 0-2 para os amantes!!! Um brinde a todos os AMANTES deste mundo e do outro!

cláudia pinho disse...

Fatusha,
já calculava te inclinasses para o estado dos amantes... menina "travessa"!
Aqui vai mais um "cheirinho a proibido": (eheh)

"Por estas noites frias e brumosas
É que melhor se pode amar, querida!
Nem uma estrela pálida, perdida
Entre a névoa, abre as pálpebras medrosas
Mas um perfume cálido de rosas
Corre a face da terra adormecida ...
E a névoa cresce, e, em grupos repartida,
Enche os ares de sombras vaporosas:
Sombras errantes, corpos nus, ardentes
Carnes lascivas ... um rumor vibrante
De atritos longos e de beijos quentes ...
E os céus se estendem, palpitando, cheios
Da tépida brancura fulgurante
De um turbilhão de braços e de seios."

Olavo Bilac, in "Poesias"

Luis Beirão disse...

...e que tal uns namorantes...? ou uns amantorados?

Bjs

Nativo disse...

Os 2 não são de todo incompativeis.

Nativo disse...

Concordam ou não?

cláudia pinho disse...

Nativo,
na minha opinião, não é uma questão de incompatibilidade mas de manter o charme de cada estado, os namorados e os amantes. Como diz em cima o Luis, podem ser "namorandos" ou "amantorados" mas neste caso surge um estado que exige outra descrição, e porque não outro tipo de charme?? Ou outro poema?

Nativo disse...

Claudia Pinho,

"A carne é cinza, a alma é chama"

E essa chama tanto arde,como aqueçe,como ilumina e se for forte e pura quando a tentam apagar ela resnace como fenix mais forte do que nunca.

fatima lopes disse...

Na minha e modesta opinião: acho que são dois estados (namorados e amantes) completamente incompativeis, principalmente como são retratados neste poema FABULOSO. Não é uma questão de charme (desculpa claudia), é muito mais profundo de que isso. É uma questão mais de alma, de paixão, de desejo, de loucura, de carne, da própria vida ou de ...
Os 'namorados' são visiveis, os 'amantes' são in-visiveis!

Luís disse...

Fatima Lopes claro que são compativeis,obvio que são poucos os homens e mulheres a terem ambas as caracteristicas,por feitio,por descrença ou por desistência dessa postura devido a terem levado com desgostos anteriores e não estão para se entregar dessa forma.
Alías,na minha optica não faz qualquer sentido ter algo com uma mulher que não seja para viver esses dois estados.

Nativo disse...

"É mais fácil ser amante do que ser marido, pela simples razão de que é mais difícil ter espírito diariamente do que dizer coisas bonitas de vez em quando"
Autor: Balzac , Honoré de

cláudia pinho disse...

Na teoria é suposto existir compatibilidade entre os dois estados, seria o ideal. Mas na prática acho que a Fátima tem a sua razão (por muito que me custe...). O Amor deveria ser cego, mas vulgarmente surge associado à razão, em demasia. Inevitavelmente esta razão complica e separa o "visível" do "invisível"...
E ouso contrariar o HOnoré de Balzac uma vez que não me parece correcto comparar o grau d dificuldade entre o amante ou o marido. Quando duas pessoas estão juntas, independentemente de serem amantes ou namorados ou companheiros, o entendimento deve fluir naturalmente sustentado pelo amor e/ou paixão, não havendo qualquer necessidade de esforço.

Se calhar só experimentando... :)

Nativo disse...

O amor vence qualquer sentimento e qualquer tirania e os seus seguidores,mas quando um homem que se segue por amor ama uma causa e entrega se a ela,tendo uma amante ao mesmo tempo por vezes a pressão de ter nas suas costas o sofrimento de seus homens é preciso ter arcaboiço para conciliar tudo sem que isso interfira na relação amorosa.
Porem chega sempre uma altura em que um homem se encontra e o seu coração é grande para amar tudo e todos e consegue ter espaço para tudo e todos e consegue assim encontrar a paz de espirito para seguir a cruzada a que o destino lhe guardou,mas enganam se os que acham que é facil ou afirmam no quem nunca passou por isso.Eu já passei por isso uma vez e não tive á altura e falhei,mas é diante das derrotas e no seu sabor que nos tornamos imunes ao sentimento da derrota e vamos buscar a força da imortalidade de saber amar.
Cumprimentos

fatima lopes disse...

Menina Claudia, eu ouso perguntar-te: Em que mundo é que tu vives? "...não havendo qualquer necessidade de esforço..." Não te esqueças que as pessoas são todas diferentes, é preciso haver e muito, esforço para haver entendimento. E em parte está também aí o interesse de uma relação, seja ela de que natureza for.
E o Sr. Honoré de Balzac tinha a sua razão, uma coisa é manter uma relação diária e durante anos, e outra coisa é ter uma relação passageira e apenas durante algumas horas diárias, por exemplo.
Sou da opinião de que, provavelmente vives num mundo de ideias...!!! (e aqui em publico não digo mais nada)

cláudia pinho disse...

Menina Lopes,
vou tentar responder à tua pergunta "Em que mundo é que tu vives?" ...
Antes de dizer que as pessoas são todas diferentes, como referiste, prefiro pensar que as pessoas vivem em mundos diferentes. E se o mundo em que eu vivo é de ideias ou de outra coisa qualquer, que não me interessa definir, a verdade é que não posso conceber uma relação amorosa com esforço. Um amor ou uma paixão (se quiseres fazer a separação) deve ser fluida, estonteante, porosa, mesmo sofrida, mas por gosto... o esforço será o da separação, por um dia que seja.
O intereresse, a meu ver, não é a diferença mas a descoberta e a aprendizagem.
Dizes tu "(e aqui em publico não digo mais nada)", pois livra-te! :)

fatima lopes disse...

AMOR é uma coisa e PAIXÃO é outra!!! Muitas vezes confundem-se ou são confundidos, é preciso conhecer os dois sentimentos (passar por eles) para saber separá-los. Mesmo assim, é muito dificil destingui-los, muitas vezes só com a separação e a ajuda do 'tempo'.
E ninguém sofre por gosto, mas sim por AMOR!
E PRONTO! e tenho dito e mais não digo... [a não ser que me obriguem... nesse caso pode ser que ainda diga mais qualquer coisita :)]

Nativo disse...

Pode haver paixão sem amor,mas não pode haver amor sem paixão.
Uma coisa é um amor duma mãe,ou dum pai.
Agora um homem que ame,mas amar no verdadeira sentido da palavra é impossivel a paixão ficar de fora.
E a Claudia Pinho refere que as pessoas vivem em mundos diferentes,pois claro que sim e aí é que está a grande questão.
Um homem que vive num mundo sob a sua tabua de valores não se enquadra no mundo de outros.
Pois um homem para amar mesmo têm que ter principios e valores,pois as 3 grandes fraquezas do homem são o poder/dinheiro/sexo.
Só um homem forte de espirito consegue desprezar isso e assim nunca trair nen esgotar o sentimento de amar que nutre pela sua companheira.
Mas esse estado só se atinge se o homem admirar a respectiva mulher.Um homem para amar uma mulher de verdade tem que admirá la pela personalidade dela,e se isso aconteçer faz amor com ela todos os dias como se não houvesse amanha e nalguns momentos como se fosse a primeira vez dela também.
É apenas a minha opinião e vale o que vale,mas como a discussão tava a ser exclusivamente feminina,resolvi interferir.
Cumprimentos ás duas.

cláudia pinho disse...

A discussão não é exclusivamente feminina, todas as opiniões são bem-vindas. Aliás começou-se por trocar ideias sobre amantes e namorados e, sem dar conta, já se divaga entre o amor e a paixão... daí sugeriu-me o poema que coloco de fresco no blog, do Almeida Garret.

fatima lopes disse...

Nativo, concordo que pode haver paixão sem amor mas, já não sei se concordo, não poder haver amor sem paixão. Penso que como á vários tipos de pessoas, logo á consequentemente vários tipos de amor ou de amar, mesmo entre homens e mulheres. Nem todas as pessoas são apaixonadas ou dadas a paixões!
Mas, penso que a opinião de cada um nós, está muitas vezes ligada ao que cada um já viveu ou experimentou na vida!

Nativo disse...

Claro que há varios tipos de pessoa,o que faz precisamente a vida ter piada pois se fosse tudo igual isto era uma seca.
Não me alongarei mais neste assunto até porque é interminavel os pontos de vista e não há certezas nen dogmas detentores de boa conduta na arte de amar.
Cada um vive essa mesma arte da maneira que sabe e que quer e consequentemente obtem o sumo da mesma.