segunda-feira, 20 de julho de 2009

PRAZERES

O primeiro olhar da janela de manhã
O velho livro de novo encontrado
Rostos animados
Neve, o mudar das estações
O jornal
O cão
A dialéctica
Tomar duche, nadar
Velha música
Sapatos cómodos
Compreender
Música nova
Escrever, plantar
Viajar, cantar
Ser amável.

Bertold Brecht

7 comentários:

menina... disse...

Com coisas tão simples, com estes tão pequenos grandes prazeres, como é possivel que a vida seja sempre tão complicada?!

cláudia pinho disse...

Será assim tanto? Vamos fazer uma receita de "nouvelle cuisine":

- deixamos para trás meia dúzia de preconceitos,
- despejamos litros de água em cima para deixar o excesso de orgulho ir pelo ralo,
- acrescentamos uma dose de amnésia perante as expectativas que terceiros depositaram sobre nós,
- e finalmente deixamos a massa do universo fluir sobre nós, podemos até começar com a massa de vento sobre o rosto.

Agora, a receita está aí.
É de grau de dificuldade médio.
O tempo de preparação é relativo, proporcional à vontade. Mas temos todo o tempo do mundo.

menina... disse...

Gostei imenso da receita!!!
Só lamento ser um desastre na cozinha...

cláudia pinho disse...

Deixa lá, eu também não sou grande espingarda na culinária... mas não desisto de fazer as minhas experiências... frustradas muitas vezes, no entanto acabo por perceber onde errei. E sabes que, no que diz respeito às receitas de bolos, correm mal porque não tenho paciência para pôr as claras de ovos em castelo, dá muito trabalho... depois a massa não fica fofinha. Os bolos instantâneos não têm o mesmo sabor!

menina... disse...

Pois, pois,... escrever é tão fácil!

cláudia pinho disse...

Será? Haverá uma diferença assim tão grande?

Luis F disse...

Coisas simples, palavras belas e assim se constrõe a alma e o perfume de um poema

Luis